terça-feira, 10 de maio de 2011

Sobre a Lágrima.

Por mais doída a lágrima,
ainda proibida,
rasga a pele,
quase com vontade própria.

Clama os dedos,
lacra os olhos,
perde a alma,
nasce morta.

Dribla angústias, humores, euforia.
Traz a tona o estranhismo do semblante.
Mostra o riso tristeza.
Cospe o choro que é sorte.
A dor passa é doendo.

Sobre Mais um pouco.

O extremo interno é o medo.

De sofrer calado fez-se a solução.
De dobrar palavras torna-se objetivo.
Construir maneiras, claras impurezas.

Ser impuro,
Cair em prantos,
Rasgar memórias.
Ignorar a dor.


Sobre a Dança com a morte.

Dancei com a morte.

Um duo à três almas.

A primeira dói.
A segunda leva.
A terceira vai.


domingo, 5 de setembro de 2010

INCOMODAM MUITO MAIS.

Célio diz:

oi

      Célio Souza         diz:

e aí tudo joia?

Célio diz:

pô cara nem tá tão joia assim

      Célio Souza         diz:

mas que foi?

Célio diz:

ah to meio pensativo daquele jeito nosso

      Célio Souza         diz:

como assim pensativo?

Célio diz:

to meio paaranoico de novo

daquele jeito desconfiado

      Célio Souza         diz:

é aquele assunto de gente falsa e tudo mais que vc tinha me falado?

Célio diz:

isso mesmo

tô num perrangue danado com isso

não vejo a hora de chegar a ver tudo serio

conseguir falar com as pessoas de igula

entende?

parar de ser o idiota

pq a gente sabe que eu não sou só isso

      Célio Souza         diz:

sabemos sim

^^

mas aqui relaxa

vai vendo em quem vc pode confiar

mas presta atenção

não fica nessa de sair sem parar

e esquecer dos compromissos

vc tem que estudar

vc sempre falou que tinha um objetivo

pq tá paracendo muito que vc desistiu

quase não te vejo empenhado em se dar bem

Célio diz:

pois é cara

to sabendo disso

eu fiz uma proposta pra mim desse ser o ultimo fim de semana

depois do feriado eu volto a toda

eu sei que é capaz de não conseguir passar de ano mais

vc tá sabendo

eu já tinha falado por alto

muitos problemas de nota

presença

atrasos

a gente fica no pc a noite toda e acaba que não nos focamos nos nossos objetivos

      Célio Souza         diz:

é vamos melhorar isso juntos

pq eu te amo mas preciso ver que nos fazemos bem

aliás somos ou não somos um casal?

Célio diz:

^^

rs

somos sim

o emocional e o racional

=)

é tão bom poder falar com vc

      Célio Souza         diz:

é mesmo

tbm gosto

me sinto mais completo

consigo entender melhor a situação

Célio diz:

se no mundo houvesse alguém que nos tratasse assim além de nós mesmos né?

      Célio Souza         diz:

as vezes eu tenho medo desse tipo de atividade nos formar dupla personalidade

Célio diz:

eu sei tb sinto que isso pode acontecer

mas somos como o lado esquerdo e direito

duas coisas distintas mas do mesmo organismo

relaxa a personalidade é a mesmo

*mesma

      Célio Souza         diz:

é vdd

mas acho melhor a gente ir com calma

nos conhecer mais devagar

pra não acabar assustando

ou brigando

sei lá

queria muito continuar cvsando

mas amanhã vai ter a festa

Célio diz:

e é mesmo

tinha me esquecido

temos que dormir né amor?

      Célio Souza         diz:

temos sim

tá mais que na hora de ir pra cama

nos vemos o tempo todo mas se der nos falamos amanhã

Célio diz:

o tempo todo nada

na maioria do tempo estamos vendo os outros

essas analises estão me martirizando

to afim de fumar

      Célio Souza         diz:

eu tb

Célio diz:

vamo fumar depois voltar pra despedir?

      Célio Souza         diz:

sim sim

pode ser

vamo lá

Célio diz:

to adorando a gente ouvindo tom zé

      Célio Souza         diz:

né?

fazia tanto tempo que não faziamos isso.

Célio diz:

é

acho que podiamos transformar essas cvsas em um blog

      Célio Souza         diz:

PRONTO E FOI AQUI QUE SURGIU A IDEIA

Célio diz:

hahahaha

como poderia se chamar?

      Célio Souza         diz:

vamos fumar e decidimos na volta

eu fico mais um pouco cvsando com vc

Célio diz:

okok

vamo lá

      Célio Souza         diz:

eu acho melhor a gente dormir

estou ficando sem força já

Célio diz:

eu to completamente forte

acho melhor a gente dormir antes que bata a depressão

pq eu forte e vc fraco já viu né?

      Célio Souza         diz:

temos que cvsar mais

Célio diz:

essa cvsa nossa me embrulha o estomago

me sinto estranho falando comigo mesmo

      Célio Souza         diz:

eu tbm

mas é justamente por isso que precisamos repetir

nosso diálogo precisa ser mais natural

o habito vai nos fazer bem

Célio diz:

fora que podemos falar de vários assuntos e nos ajudar a saber em que hora cada um entra em ação

      Célio Souza         diz:

mas isso tá muito adolescnete perdido

adolescente**

Célio diz:

é mas é isso que ainda somos

boa noite

      Célio Souza         diz:

boa noite pra vc tbm

Célio diz:

fui

      Célio Souza         diz:

FOMOS

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Sobre tudo que se tem pra culpar.

Por que é tão difícil se assumir responsável pelos seu próprios atos.
Essa pode ser também a pergunta.
Resposta é conclusão.
Nada, ninguém, nenhum se conclui.
Tudo que vemos o que mais nos deixa dúvidas diz respeito à culpa.
Quando minha, sua. Quando sua, nossa.
Tá aí algo que nunca será minha.
Culpa.
Por mais que encontre mil motivos, sempre sua.
Eternamente.
Melhor deixar te ser vil que me encontrar no mais puro reflexo.
Sabendo que o espelho é seu, me sinto mais leve.
O que não deixa de ser proteção.
Quanto mais interno mais poético.
Meu e seu aqui já não exist mais.
Mesmo assim a culpa é sua.
Porque não é importante.
O que importa é a dificuldade de se assumir responsável pelos seus atos.
Seja minha ou sua culpa dessas ultimas palavras.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Os Dois Novos Frutos... [O Monólogo entre nós][O primeiro passo]

-Um amigo tentou um dia fazer um poema todo rimado.

Na metade virou texto.

Diferente.

-Até achei estranho não estranhar.



-Descobri que é assim que vejo minha vida.

Toda fora do padrão.

Sem grandes...

-Nem me fale em vitória.

Essa fez questão de me esquecer.



-Parecem citações conterrâneas de Penelope Cruz.

-Mas é como me sinto oras!

Aliás, é como me sinto dias!



------------------------------------------------------------------------------------------



Vejo todos os assuntos que não abordei em textos individuais.

Deixei os pensamentos de lado.

Resolvi calar, guardar.

Faz tempo que não escrevo.

Faz tempo que não vou ao dentista.

Não abro a boca.



É o primeiro passo...

Vamos com calma.

Depois do dilúvio é necessário um tempo minimo pra aumentar a qualidade dos novos frutos.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

101 coisas para fazer em 1001 dias

Aqui virá minha lista de coisas a fazer:

1ª arrumar um emprego
2ª terminar essa lista

domingo, 1 de novembro de 2009

SOBRE O MENINO E O CÉU

Ele amava a noite como se fizesse parte dela
Ele se entregava a ela como se fosse comum
Nada nele cabia aos moldes.
Ele olhava a lua como quem vê-se distante
Ele sentia a lua como quem vence a si mesmo.
Nada o predia no chão.
Ele encontrava em seu mundo tudo que desvencilhou
Ele desatava os rótulos como quem desata aos nós.
Nada lhe cabia sem encher.
Ele se entregou ao céu fez-se dele a única estrela.
Ele se ergueu num Sol segurando as amarras da noite.
Nada lhe aconteceu,
Ele não adormeceu e em seu pranto a noite derretia.
Ele nunca percebeu o que o mundo inteiro já de cór sabia
Nada lhe aborrecia,
Ele compreendia o medo e de sofrer se fez de dor a sua vida.
Ele esbranquiçou a pele e de viver entrega a cor ao dia.
Nada mais tem
Ele vai perdendo a força e com o céu não se identifica
Ele vai perdendo a força, a forç... a for... a fo.. a f... a.
Nada mais pode fazer
Ele não é mais da terra e o dia nunca mais pôde nascer em paz.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Sobre tudo que há pra lá do vidro fechado

Começa com meus olhos bem abertos
Um olhar da janela do que pode ser meu quarto,
tanto faz.
A chuva batia no sumidouro da janela
Refletia no vidro as mais de cem gotas
Que dançavam derretendo e escorregando
Tudo tão bonito
Que entrou no hall das coisas inesquecíveis

O pensamento estava lá fora
Ao mesmo tempo que na liberdade de ser chuva, em seu olhar
Ao mesmo tempo que parava, ouvia, via.
Sentir não era permitido,
Os vidros que fechei não permitiam
Então olhe, escute
Veja o sentimento de fora e não entre
Escute-o passar e não pare-o

Desses, em mim,
A única, imperatriz, era saudade
Dando ênfase na minha pequinês

Vem lembrança clara
Vem passado, o bom
Vem o que não vem
Vem o que não foi
Acho melhor parar por aqui
Antes que as lembranças quebrem os vidros que fechei.

domingo, 18 de outubro de 2009

SOBRE TUDO QUE É PECADO...

Há tempos não escrevo nada,
Há tempos não me sinto em nada,
Então sua busca me falou mais perto do que aos ouvidos,
E senti um imenso empurrão transcorrer de minhas mãos
Então vamos ao que interessa,
Deixa eu te ensinar como fazer:
Tudo começa pela força ou direção
Cabe a cada um descobrir pra onde vai tudo o que vem
Então você destrói todo e qualquer taboo
Deixa se fazer de estranho sob seu próprio cobertor
Enquanto esquenta a cabeça pensando
*Sei como era bom sonhar,
**Corto os "vocês"
***Assim torno-te mais meu, mais pessoal.
Enquanto esquenta a cabeça pensando em tudo
*em tudo como é
**não é como está
Então você pega seus desejos
Então você pega sua coragem
Então você olha ao seu redor
E com olhos renovados
Está pronto pra cometer seu próprio pecado.

***Posso lhe acompanhar?


................................................
ENTRELINHAS

*Sei como era bom sonhar,
*em tudo como é

**Corto os "vocês"
**não é como está

***Assim torno-te mais meu, mais pessoal.
***Posso lhe acompanhar?
...............................................